Pisa Trekking Aventura Levada a Sério

(11) 5052-4085 • (19) 3253-0274

Receba nossos Informativos

Reserve Agora

Voltar

Travessia Itatiaia x Maromba - Via Serra Negra

Cód.Roteiro:910

Convidar Amigo Imprimir

EXPERIÊNCIAS:

  • Trekking

    Trekking

  • |
  • Parques Nacionais

    Parques Nacionais

  • |
  • Viagens Rodoviárias

    Viagens Rodoviárias

  • |
3 DIAS E 2 NOITES

Nível de dificuldade:

- Intenso -
Valor a partir de:

Sob consulta

Terrestre

Gostou do Roteiro?
Solicite a sua Pré-reserva!

Solicitar

Tradicional travessia da parte alta do Parque Nacional do Itatiaia - PARNA, a rota Serra Negra se destaca não só pelos visuais incríveis que se tem do Agulhas Negras (2.791m) e da Pedra do Altar (2.665m), mas também pela oportunidade de um trekking em busca de conhecer e desfrutar um pouco mais da região. A caminhada perde bastante altitude ao longo do dia, nos levando aos grotões mais profundos da Serra da Mantiqueira. Faremos várias paradas para banho, inclusive na cachoeira do Rio Aiuruoca, uma das nascentes mais altas do Brasil. Passaremos também pela antiga rota do queijo, trecho cênico em meio a matas de araucária e bromélias até chegarmos à Vila da Maromba, na região de Visconde Mauá - RJ.
 
Clique aqui e veja mais fotos dos roteiros!

 

Pontos de Interesse

Itanhandu / Parque Nacional do Itatiaia / Rio Aiuruoca / Bosques de Araucárias / Serra Negra / Vila de Maromba / Resende

Sobre a Trilha

A travessia exige bom preparo físico. A caminhada é feita por trilha bem definida, em campos de altitude e com mochila nas costas.

Dia a Dia

1º Dia - ORIGEM / ITANHANDU-MG

Receptivo na rodoviária de Itanhandú para transfer e acomodação em Pousada.
 
Pernoite em pousada simples
 
Sem refeições inclusas


2º Dia - PARNA / ABRIGO REBOUÇAS / SERRA NEGRA

Após café da manhã iremos sentido Parque Nacional do Itatiaia, transfer de aproximadamente 1h até o início da trilha. A caminhada já começa à 2400m de altitude, na parte alta do PARNA. Durante o percurso predomina-se a descida sentido a cachoeira do Rio Aiuruoca, que possui uma das nascentes mais altas do Brasil. Cachoeiras, bosques de araucária e paredões de rocha serão nossa companhia por todo o dia até cruzarmos a Cabana do Caçador que já estará próxima a nossa primeira parada no Vilarejo do Matão. Pernoite na pousada em acomodações coletivas e jantar.

Distância: 18km / Tempo: 6 à 8h
Ganho acumulado de elevação (GAE): 571m
Perda acumulada de elevação (PAE): 1287m

Pernoite em pousada simples.
 
Café da manhã, lanche de trilha e jantar


3º Dia - SERRA NEGRA / VILA DE MAROMBA / ORIGEM (11 km)

Após café da manhã continuaremos nossa Travessia sentido à Vila da Maromba. Uma forte subida marca o primeiro trecho que é conhecido pelos locais de “mata cavalo”, alcançando novamente os campos de altitude, cenário incrível com imensos altiplanos a mais de 2500m de altitude, margeando o Vale do Gigante e o maciço do Agulhas Negras na vertente Leste do Parque. A segunda etapa desse dia consiste em uma descida por trilhas muito antigas usadas por tropeiros para o comércio de mercadorias da época. Chegando em Maromba uma pousada estará a nossa disposição pra quem quiser tomar sauna e banho antes do retorno pra casa. Transfer em ônibus regular até a rodoviária de Resende e embarque para a cidade de origem após as 19h00. Para os que vierem de carro, serão feitas mais duas baldeações até Itanhandu, onde o autmóvel estará guardado. 
 
Distância: 10km  / Tempo: 5h
GAE: 490m / PAE: 900m
 
Sem pernoite
 
Café da manhã

***A programação acima poderá sofrer modificações devido a fatores climáticos, de acesso ou que possam interferir na segurança dos participantes.

 



O que está Incluso

Inclui
- 2 Pernoite em pousada simples em quarto coletivo com café da manhã
- Transfer IN: Rodoviária de Itanhandu / hostel
- Transfer OUT: hostel / Rodoviária de Resende
- Traslado IN /OUT para a montanha
- Equipamento coletivo de acampamento
- Alimentação integral na montanha (café da manhã, lanche de trilha e jantar)
- Guias locais especializados
- Seguro viagem;
 
Não Inclui
- Transporte ida: São Paulo x Itanhandu
- Transporte volta: Resende x São Paulo
- Despesas de ordem pessoal (bebidas, telefonemas, entre outros)
- Equipamentos pessoais de acampamento
- Atividades não mencionadas ou opcionais
- Material impresso e Brindes Pisa Trekking
- Taxas e impostos governamentais

 

O que levar

Mochila:
- 1 mochila de ataque a partir de 30L (suficiente para roupas, lanche, água e acessórios pessoais)
 
Vestuário:
- Camiseta Dry (secagem rápida) de manga longa ou curta (preferível que sejam sintéticas)
- Blusa de fleece, polartec ou similar para passar a noite
- Jaqueta Anorak tipo goretex com capuz (resistente a água e vento)
- Calça de trekking (Nylon) ou de Lycra pra quem preferir
- Roupa de dormir e de passeio para o segundo dia
 
Calçados:
- Tênis ou bota de trekking amaciada e com solado aderente
 
Acessórios:
- Lanterna pequenas com pilha extra (de preferência de cabeça)
- Recipiente de 2 litros (garrafa de plástico descartável, garrafa Nalgene ou menores com boca larga, bolsas de hidratação tipo "Camelback")
- Meia média ou grossa para caminhadas (de preferência com tecnologia "CoolMax")
 
Outros:
- Medicamentos particulares e materiais de higiene pessoal (de preferência biodegradáveis) em embalagens pequenas
- Filtro solar para rosto e lábios e repelente contra insetos
 
Sugestão/Opcional:
- Álcool em gel para limpar as mãos
- Bastão de caminhada (cajado)
- Bandana ou EcoHead
- Polaina
- Boné e óculos escuro
- 1 par de luvas de frio
- Gorro de lã ou polartec
- Roupa de banho para as cachoeiras e sauna na pousada
- Toalha pequena
- Hipoglós ou vaselina para possíveis assaduras
- 1 par de tornozeleiras para quem tiver tendência a "virar" o pé
- Barrinhas de cereal, frutas secas, castanhas, chocolate ou similar para reposição das energias durante a caminhada

Informações Importantes

- Chegando na vila de Maromba em torno das 14:00h, o grupo tem opção de pegar um ônibus até a cidade de Resende, já as margens da Dutra, sendo assim possível o regresso para as principais capitais para os que vierem de ônibus. Para os que vierem de carro, serão feitas mais duas baldeações até Itanhandu, onde o automóvel estará guardado.
- Neste roteiro não é necessário carregar saco de dormir e isolante térmico, apenas mochila de ataque para carregar lanche, equipamentos pessoais e água.

- A programação poderá ser modificada a qualquer momento por motivos de condições climáticas ou motivos de segurança que possam comprometer a integridade física do grupo.
- Caso a expedição na montanha seja abortada o cliente arcará com qualquer custo de hospedagem e alimentação na cidade não mencionado no roteiro.
- Caso o cliente se desligue da programação da expedição por motivos pessoais, ele arcará com toda a despesa de transporte, alimentação e hospedagem na cidade.
 
SERVIÇOS EXTRAS (pagos localmente)
- Carregador pessoal: Os carregadores trabalham por dia e levam 20kilos de carga contratada. Esse serviço pode ser compartido por mais de uma pessoa. R$ 300,00 a diária
- Locação de equipamentos: A locação de equipamentos é calculada por dia e por equipamento.
Saco de dormir e mochila: R$ 35,00

 

Depoimentos

  • Renata Mizhari
    Oi, Letícia, bom dia!
    Foi mara!
    Adorei!
    Obrigada!
    O grupo foi muito bom e a equipe de lá é muito incrível.
    Uma observaçao: de repente, da próxima, vale conectar antes o pessoal do Rio.
    O Ricardo foi de carro. Se eu soubesse poderia ter pego uma carona com ele.
    Como a maioria vem de sampa, mas sempre tem gente do rio como eu, vale a pena nos colocar em contato
    antes e a gente ia juntos. Foram eu, Ricardo e José Marcos. Nos conhecemos lá e voltamos juntos no carro do Ricardo.
    A gente comentou isso lá, o quanto seria bom a gente saber um do outro antes, ja que éramos só tres. fica a dica =)
    De resto tudo, tudo lindo!
    Mando uma foto do grupo e uma minha andando rs.
    Beijos, Re
     
  • Carolina Crepaldi
    Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver do universo…
    Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer,
    Porque eu sou do tamanho do que vejo
    E não do tamanho da minha altura…
     
    Nas cidades a vida é mais pequena
    Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
    Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,
    Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe de todo o céu, 
    Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar, 
    E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver.
     
    (Alberto Caeiro por Fernando Pessoa, O Guardador de Rebanhos, VI)
     
    A minha viagem começou com a escolha da agência. Queria o simples (e quero), e me parece que a contemporaneidade transformou o simples em algo bem complicado. Vamos lá amigo “google”…
    Até que enfim encontrei a agência. Viagens possíveis para a minha complicada simplicidade. Valores…, rodoviário, nacional, patinhas (quero várias), dormir em abrigo… é isso! Travessia Itatiaia – Maromba.
    E lá fui eu, e mais outro, e outro, e outro… e fomos NÓS! Carol (eu que vos escrevo), Mateus, André, Bley, Danilo, Bruno, Daniel, Maarten, Klever, Maurício, Helena, Johana, Cárin, Ale, Gabi e Sólon.
    Chegamos em Passa Quatro, dormimos no Hostel e no dia seguinte nos somamos a “mineirada”, Meiry, Artur, Patty e Rodolfo. E daí sabe o que fizemos? A gente andou e depois andou e andou e andou. 
    Ah! Lembrei a gente andou também! Parece bobagem, mas foi a nossa meditação a lá Ocidente (com muito movimento). Cada um com seu “passo”, desde o mais contemplativo até o mais “hardcore”, como diria Daniel (nosso guia de São Paulo). 
    Que o trekking leva à introspecção, a descoberta e/ou superação dos limites, que a paisagem ao nosso redor seria fantástica, são informações que de alguma maneira já tínhamos; mas esta viagem teve algo em especial; f l u ê n c i a. Acredito que por características dos próprios caminhantes, mas em grande parte, este “movimento fácil” se deve ao trabalho dos guias, percebendo o grupo e permitindo que a viagem fosse significativa para todos.
    Quando soube do grupo, pensei que eram muitos e que estava me metendo num conglomerado de vaidades e carências, com muito conflito, chiliques … E não foi nada disso, mesmo com os diferentes ritmos, olhares, experiências, o grupo caminhou muito bem junto, conhecendo o outro em toda sua alteridade.
    No 3o dia de peregrinação, com o Roberto (nosso mateiro) e seu facão, adentramos a mata mais fechada, trilhamos até o Pico da Serra Negra. Êxtase…
    Lindo! E como diria Bowie “…we can be heroes…”
    Parabéns a todos nós. E obrigada pela oportunidade de compartilhar esta Travessia.
    Agradeço a “comissão de frente” por nossos “piques” na montanha, como uma grande molecagem. Estávamos no “tempo da pureza”. Até as histórias depois das paradas nos remetiam a alguma “traquinagem”. Era o grande barato. 
    Como diria minha mãe: “Você não vai crescer nunca!” Espero que não…
    Agradeço ao Rodolfo, nosso guia local, por me “estender as rédeas”. A tolerância e resiliência do Daniel, a prontidão e solicitude da Gabi, a paciência e delicadeza da Helena e a simpatia e simplicidade da Patty.
    Beijos. 
    Inté! 
    Carol.

VOCÊ TAMBÉM VAI CURTIR