Belezas Naturais da África: Madagascar, Namíbia, Marrocos, Tanzânia e mais

Quando falamos de natureza na África, a primeira coisa que lembramos são dos leões e elefantes das savanas. Em outras palavras, dos grandes animais! Mas existe todo um outro mundo que coabita o continente, que é geralmente ofuscado pelos reis da selva. Pense só: a África cruza os dois Trópicos e a Linha do Equador. Não é à toa que o continente agregue tantos biomas e seres diferentes. Por isso, para mostrar um pouquinho dessa biodiversidade, hoje, o Blog Vida ao Ar Livre separou algumas das belezas naturais da África.

 

Madagascar

Para já tirar a ideia de que a África só tem animais grandes, vamos começar com a ilha onde todos se “remexem muito”. Sim, se você assistiu à animação da DreamWorks, você sabe que Madagascar é repleto de lêmures. Mas se é clichê dizer que a África tem leões, o mesmo vale aqui para esse grupinho de marsupiais. Quer dizer, se você der uma voltinha, o rei Julian (Lêmure-de-cauda-anelada), o Zoboomafoo (Jovian) e companhia ilimitada estarão todos lá. Mas você vai se remexer mesmo quando descobrir a variedade que essa ilha pouco maior que a região sul do Brasil oferece.

No reino animal, as espécies começam nos crocodilos, passam pelos camaleões e terminam nas mariposas cometa. Já a flora vai das samambaias e orquídeas aos chamativos baobás e árvores-do-viajante. Quanto às paisagens, as cascatas e cânions só não espantam mais do que as tumbas dos nativos que vivem por ali. Isso porque elas são “enfeitadas” com capacetes com chifres dos antepassados.

Um atrativo mais admirável é a “Janela de Isalo”. Sabe aquelas pedras que a gente não sabe dizer como foi parar daquele jeito? Pois bem, situado no Parque Nacional de Isalo, a “janela” é nada mais do que um buraco no meio da pedra que permite a passagem da luz solar durante o pôr-do-sol. É tanta sincronia que parece um presente da natureza. Por fim, ainda vale destacar as praias propícias para mergulho e observação de corais. O curioso é que algumas das mais belas não ficam em Madagascar, mas sim em outras pequenas ilhas, como a Nosy Be. Por isso, muitos costumam chamar Madagascar uma grande ilha rodeada por outras pequenas ilhas paradisíacas.

viagem para madagascar

 

Namíbia

A Namíbia é outro país muito famoso pelos animais. O Parque Nacional do Etosha, no coração do país, é não só um dos mais famosos da África, como um dos únicos que guarda certas espécies em extinção: guepardo, rinoceronte negro e impala de face negra. Outro grupo em vias de desaparecimento é a tribo Himba, que vive bem próximo do Parque na fronteira com a Angola. Apesar de já terem feito parte até do reality show brasileiro “Perdidos na Tribo”, as mulheres mantêm suas marcas com o pó marrom que colocam nos cabelos e corpos.

Apesar deste ser um texto sobre belezas naturais da África, é importante mencionar essa outra parte, porque ela sintetiza muito do que são as paisagens na Namíbia. Por um lado, uma beleza única, que poucos lugares no mundo poderiam reunir. Por outro, uma sensação estranha de tudo estar por um fio, e disso, uma ânsia de absorver toda aquela raridade ao máximo antes que ela se vá de fato. Afinal, são mais de 80.000km² de deserto repletos de vegetação seca, galhos retorcidos e dunas de 380m. Por outro lado, pense agora no silêncio e na força da natureza em território tão selvagem.

O maior exemplo disso é o lago seco de Deadvlei. Rodeado por dunas, a área poderia muito bem ter se tornado um Lençóis Maranhenses. Porém, a água secou, o solo rachou e as árvores que ali existiam morreram… mas continuaram de pé. Sem contato com a água, os troncos estão há quase um milênio sem serem decompostos. E hoje, eles são praticamente fósseis expostos. A visão é tão exótica quanto magnetizante. Uma sensação muito parecida com o Bosque Petrificado de árvores e muitos outros atrativos do país. Todos, sempre inspirando um mix de sensações muito diferente do que qualquer outra viagem que você já fez.

viagem para namíbia

 

Marrocos

Falando em deserto, não podemos falar de África e esquecer do Saara. Só que aqui, a realidade é bem diferente da Namíbia. Toda a excentricidade dá lugar à comodidade. E assim, você não precisa (e nem deve) se enfiar no meio do deserto para ter um gostinho dele. No Marrocos, inclusive, você nem chega a entrar na parte selvagem do Saara. Os roteiros costumam levar os viajantes para as dunas de Merzouga, no leste do país, quase na fronteira com a Argélia. E pode apostar: qualquer parente que visse suas fotos depois, diria que você esteve na região mais inóspita do Saara.

Também, com dunas que se perdem à vista, a experiência será muito parecida e bem mais imersiva do que se você tivesse entrado de fato no deserto. Isso porque você vai poder andar de camelo, conhecer oásis, passear de 4x4, pernoitar em acampamento beduíno, e até assistir a um show com instrumentos típicos.

Mas mais uma vez, o deserto não é a única coisa por aqui. Nas bordas da cadeia montanhosa do Atlas, o Vale do Todra abriga desfiladeiros, cânions e até oásis, que ficam ainda mais bonitos pela cor vermelha das montanhas. É um visual tão contrastante que é até difícil acreditar que você está a apenas 200km daquele mar de areia. E uma última dica aos mais aventureiros: depois de tanto Marrocos, que tal entrar de cabeça nas belezas naturais que ele tem para oferecer? O Trekking nos Atlas é uma das expedições com cenários mais diversos do mundo. Você vai passar por areia, pedra, neve e terra, e o cume de 4.070m é o limite! Conheça aqui o roteiro da Pisa Trekking, que acontece poucas vezes por ano.

 

Moçambique

Do seco para o molhado, quando falamos de turismo em Moçambique, o que reina são as ilhas. Sim, a vida animal é intensa na porção continental do país, mas com tantas outras opções pela África, por que não mudar um pouquinho de cenário e conhecer algumas praias paradisíacas? Duas das melhores são a Ilha Bazaruto e a Ilha de Benguerra. Nelas, além da beleza das águas azuis e verdes e dos bolsões de areia que vez ou outra dão as caras no meio do Oceano Índico, a palavra é sossego.

Enquanto os casais sonham em descansar nas Ilhas Mauritius ou Maldivas, Moçambique permanece desconhecida. Que é como tem que ser… afinal, não dá para relaxar em um lugar com mais turistas do que grão de areia, né?! E falando em areia, vale lembrar que ela só não é mais branquinha do que as noites estreladas. Imagine agora esse visual de dentro de uma piscina privativa, com mordomos para atender à qualquer pedido, e peixes e frutos do mar frescos à vontade?

Olha, se você ainda acha pouco, aproveite os passeios de snorkelling, e descubra em Bazaruto um dos melhores locais de mergulho do mundo. Se estiver com sorte, você pode avistar até algum dugongo, tartaruga ou baleia pelo caminho. E jamais se sinta um peixinho fora d’água: em Moçambique, todos falam português! E mesmo se não falassem, os moçambicanos são um dos povos mais receptivos e simpáticos do mundo! Você vai se sentir praticamente em casa, enquanto vive uma experiência de retiro pessoal.

viagem para moçambique

 

Tanzânia

E para fechar a lista, não poderíamos falar de outra coisa senão o grande Monte Kilimanjaro. A maior montanha da África (5.895m de altitude) é também a mais alta fora de uma cordilheira. Por muitos, ela é considerada o teto da África, sempre encoberta por neblina e mistérios. Aos que chegarem perto do cume, você já imaginou encontrar neve na África? Pois bem, nem os antigos acreditavam. Tanto é que os mitos diziam que Kilimanjaro era a conexão da Terra com os céus, e a neve, o trono de Deus.

Tente imaginar agora que essa mesma montanha de neve já foi um dia um vulcão bastante ativo. Quer dizer, não um, nem dois, mas três vulcões! Hoje o que sobrou foram as crateras, mas imagine o que tudo isso suscitou nas cabecinhas criativas dos nossos antepassados. São tantas lendas, que poderíamos ficar um texto inteiro contando cada uma delas. Mas o que basta saber é como chegar até o topo, o resto você descobre de lá!

Saindo das florestas tropicais do Quênia e Tanzânia, serão dias intensos de subida. No dia do cume, por exemplo, você levará de 8 a 10 horas em uma altitude superior aos 5.000m. Ou seja, é obrigatório um preparo físico. Mas se você nunca teve experiência em montanhas, fique tranquilo, porque o Kilimanjaro é um trajetos mais acessíveis para iniciantes em alta montanha. E para melhorar ainda mais sua experiência, um dos roteiros que a Pisa Trekking oferece usa uma rota bem menos utilizada pelos viajantes. O que é muito importante, já que o Kilimanjaro é a montanha mais escalada da Terra, com um número que chega a 35 mil pessoas andando por suas trilhas ao ano.

viagem para tanzânia

 

Bom, agora que você já está familiarizado com as belezas naturais da África, não perca tempo! Fotografe os animais, suba o Kilimanjaro e descanse nas praias. São muitas Áfricas dentro de uma única. Conheça aqui os roteiros da Pisa Trekking, e escolha aquela que mais combina com você! Nossos atendentes estão esperando seu contato para você fazer a viagem dos seus sonhos.

 

Leia outros textos sobre África:

CONHEÇA NOSSOS ROTEIROS!

Assine nossa newsletter e receba nossos roteiros e novos textos do blog

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 238 outros assinantes

Deixe uma resposta