Febre Amarela: como se proteger do mosquito na sua próxima viagem

A febre amarela é uma doença transmitida pela picada de um mosquito e tem causado grande repercussão nestes últimos meses. Mesmo que gere preocupação para quem está prestes a viajar, a situação é contornável. Bastam algumas precauções para aproveitar as férias sem nenhum receio. Para isso, o Blog Vida ao Ar Livre explica o que é a febre amarela e o que você não pode esquecer para seguir viagem.

 

Transmissão

A transmissão da febre amarela se dá essencialmente por três gêneros de mosquito. Um deles é o Aedes, já famoso vetor dos vírus da dengue e do zika, mais comum em áreas urbanas. Embora ainda potenciais transmissores, a última vez que se registrou a transmissão do vírus da febre amarela por mosquitos Aedes foi há 60 anos atrás. Os dois principais vetores responsáveis pelos surtos recentes são dos gêneros Haemagogus e Sabethe. Ambos são silvestres, possuem hábitos diurnos e costumam sobrevoar as copas das árvores.

Isso explica o fato de tantos macacos terem sido contaminados. Ainda assim, não existe transmissão direta entre homem e macaco. O que ocorre é que um mosquito pode passar a carregar o vírus após picar um primata infectado. A vacina é, portanto, mais recomendada para pessoas que morem próximas à áreas silvestres, e que possuam mais chances de serem picadas por estes mosquitos.

 

Sintomas e vacinação

Caso comece a perceber indícios semelhantes a de um resfriado, como dor de cabeça, febre e dores musculares, você pode estar com febre amarela. O quadro piora quando os sintomas passam a ser vômito, falta de ar e urina escura. Em ambas as situações, evite a automedicação, já que alguns fármacos podem acentuar os problemas. O que se deve fazer é procurar um médico para evitar complicações como hemorragias internas e falências dos rins e fígado.

Para evitar esse quadro a vacinação é recomendada, especialmente àqueles que vivem ou pretendem se deslocar para regiões de risco. Ela pode ser realizada em dose única, protegendo o vacinado por toda a vida, ou em dose fracionada. Nessa segunda opção, um quinto da dose regular protege a pessoa vacinada por 12 meses. As contraindicações ficam para as gestantes, mães amamentando, idosos, crianças menores de 6 meses, indivíduos em tratamento de câncer, HIV ou doenças autoimunes, e alérgicos a ovo – uma vez que o alimento é base na fabricação da vacina.

Vacina - Febre Amarela

Fonte: Flickr “Agência Brasília”. Acesso em: https://www.flickr.com/photos/agenciabrasilia/31579077623

 

Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia

Para viajar a algumas localidades, o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) é exigido. O documento, emitido pela Anvisa, é a comprovação de que o indivíduo é vacinado para várias doenças, inclusive a febre amarela. Ele é somente emitido àqueles que tomaram a dose cheia, lembrando que a vacina deve ser tomada com dez dias antes da viagem.

Para viajantes, é preciso verificar quais os países que exigem o certificado e seguir os procedimentos descritos no site da Anvisa. Lembrando também que escalas de voo devem ser consideradas. Para destinos nacionais, depois do surto recente de Febre Amarela, o Ministério da Saúde recomenda a vacinação para diversos municípios em 20 estados. Veja aqui a lista completa de cidades. Já para emitir o certificado, essa é a lista dos centros de orientação.

Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia - CIVP

Foto: Reprodução – Anvisa

 

Cuidados para viajantes

É claro que as recomendações a seguir servem para qualquer um, mas para nós que não conseguimos ficar longe do mato, a indicação é dobrada.

     1. Consulte seu agente de viagem para saber se o destino da sua viagem está exigindo vacinação.

     2. Calças e camisas de manga comprida já são naturais para evitar espinhos ou caules indesejados. Aqui, elas também servem para cobrir áreas da pele suscetíveis a picadas.

     3. Sempre tenha em mãos um bom repelente. Os mais potentes são aqueles à base de Icaridina, que duram até 12 horas na pele. Uma opção mais natural é o óleo de andiroba, muito usado na Amazônia e que tem ótima eficácia.

     4. Quando chegar no local de hospedagem, verifique se não há nenhum criadouro de mosquito. E se houver, procure eliminar.

     5. Antes de partir para o passeio do dia, certifique-se de fechar as janelas e porta do quarto.

Febre Amarela - Serra da Canastra

 

Ainda que os casos de febre amarela assustem os viajantes, tomando cuidados e se vacinando o mosquito vai passar longe de você. As perspectivas melhoram se pensarmos que com o fim do verão diminui a proliferação de mosquitos, e por consequência, a transmissão de febre amarela. Então, pegue seu repelente, programe seu roteiro e boa viagem!

Quer algumas sugestões? Então veja essas nossas postagens:

Um Comentário em: “Febre Amarela: como se proteger do mosquito na sua próxima viagem

Deixe uma resposta