Dica de Viagem: O que fazer no Parque Nacional da Serra da Capivara?

Quando falamos em Serra da Capivara, provavelmente a primeira coisa que vem à mente são as pinturas rupestres. Mas quem explora o Parque Nacional da Serra da Capivara sabe que ele não se resume apenas a esses registros históricos. Afinal, a região é também palco de diversas formações rochosas e um recanto preservado da caatinga brasileira. Por isso, hoje, o Blog Vida ao Ar Livre te mostra o que fazer no Parque Nacional da Serra da Capivara (além das pinturas).

Os cartões-postais da Serra da Capivara

Todo destino tem um símbolo que associamos à região. Na Serra da Capivara, esse posto é bem disputado. De um lado, temos uma das pinturas rupestres mais famosas: capivaras mãe e filho – que você pode ler mais a respeito nesse texto aqui. De outro, a Pedra Furada, um Monumento Geológico que como diz o nome, é famosa pelo buraco de 10 metros de diâmetro. No entorno, uma caatinga um pouco mais abundante daquela que você costuma observar nos livros de geografia, completa o cenário rústico e, obviamente, raro.

pedra furada serra da capivara

Os cânions, fendas e voo dos pássaros

Aliás, se existe algo que se equipare à abundância de pinturas rupestres são as formações geológicas. São tantos cânions, grutas e serras, que a região é até conhecida como a “Capadócia brasileira”. É claro que sem os balões, mas com visuais igualmente belos; seja no topo das serras ou entre os cânions.

Nas partes baixas, um dos melhores pontos é a Toca do Inferno. Diferente de outras grutas, essa foi poupada dos “rabiscos pré-históricos”. Em contrapartida, o que impressiona são os raios de sol que entram pelas fendas do paredão apertado. Já por cima, os perfis acidentados do Grotão da Esperança e do Baixão das Andorinhas oferecem mirantes que nos transportam a outro tempo geológico. Inclusive, uma boa dica é visitar o “baixão” no final de tarde, quando as andorinhas voltam em elegantes mergulhos para dormir todas encostadas na rocha.

baixão das andorinhas serra da capivara

A cerâmica e seus artesãos

Para você que já está com saudades das pinturas rupestres, que tal retornar a elas de um jeito diferente? Valorizando o artesanato local! A Fábrica de Cerâmica Serra da Capivara é hoje responsável por mostrar ao mundo, nos desenhos reproduzidos em suas peças, os registros dos sítios arqueológicos. Quem passa por aqui tem a oportunidade de conhecer o processo de produção e acabamento das peças, mas também de adquiri-las por valores mais em conta dos que você encontra em Tok Stoks da vida.

Foto: Flickr Ministério da Cultura

O Parque Nacional da vizinhança

Se você quiser estender a visita para outros atrativos piauienses, vale conhecer o Parque Nacional da Serra das Confusões. A apenas 100km de São Raimundo Nonato – cidade-base para quem conhece a Serra da Capivara –, Confusões é também rico em vistas panorâmicas.

A mais procurada, por exemplo, é a Janela do Sertão, que tem diversas rochas de arenito ganhando espaço no meio da caatinga. Outro é a Gruta do Riacho dos Bois, uma fenda com mais de um quilômetro de extensão, que tem trechos de cânion aberto e outros de caverna. Com paredões de mais de 20m de altura, a surpresa fica para o final, quando um pequeno recanto de árvores e mata úmida parece guardar um local sagrado.

serra das confusões serra da capivara

Bem, como dá para ver, o Parque Nacional da Serra da Capivara vai muito além das registros rupestres. É claro que uma viagem aqui não pode passar sem as pinturas, mas com essas dicas, seu passeio vai ficar muito mais diversificado. E para que a viagem seja mais cômoda e segura, conte com os serviços da Pisa Trekking. Especialistas em turismo de aventura, a Serra da Capivara é um de nossos carros-chefes. Confira aqui os roteiros e tire todas as suas dúvidas com nossos atendentes!

CONHEÇA NOSSOS ROTEIROS!

Assine nossa newsletter e receba nossos roteiros e novos textos do blog

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 249 outros assinantes

Deixe uma resposta