Dica de Viagem: Principais atrativos dos Aparados da Serra

Aparados da Serra é o parque de cânions no sul do Brasil. Paredões que ganharam esse nome pela sensação de terem sido aparados à “fio de faca”. De Cambará do Sul, cidade gaúcha mais próxima da entrada do Parque Nacional, além dos famosos cânions, você poderá desfrutar de rios, cachoeiras, trilhas e muitas outras atividades. Para aproveitar ao máximo sua viagem, hoje, o Blog Vida ao Ar Livre mostra os principais atrativos dos Aparados da Serra.

CÂNION ITAIMBEZINHO

Já que o nome da região vem dessas formações geológicas, nada mais justo do que começar por elas. E logo com o mais famoso: o Itaimbezinho, cujo nome vem do tupi-guarani e significa conjunto de pedras afiadas.

Com paredes de até 720m de altura e quase 6km de extensão, o Itaimbezinho pode ser explorado através de três trilhas. Duas por cima (a Trilha do Cotovelo e a Trilha do Vértice) e uma por baixo entre os paredões (a Trilha do Rio do Boi). As de cima oferecem vistas das duas principais cachoeiras, as Andorinhas e o Véu da Noiva, que desabam de 200m e 480m, respectivamente. Percorrer os 8km das duas leva em torno de 3h, e no final do trajeto, você terá visto cada cantinho do cânion, sem ficar faltando nada.

Debaixo, os 12km da Trilha do Rio do Boi já são mais desafiadores. Seguindo o curso do rio até o centro do cânion, fora as pedras e vegetação mais intensa, não será incomum ter que cruzar o rio com água nos joelhos. Por essa dificuldade extra, é proibido fazer o trekking sem um guia (confira aqui alguns roteiros). Até porque ele saberá analisar se o dia está bom para a atividade, principalmente no verão quando as chuvas frequentes incrementam o volume do rio.

CÂNION FORTALEZA

Mais ou menos difícil, fato é que, até aqui, o Parque Nacional dos Aparados da Serra oferece uma infraestrutura boa para qualquer um que desejar se aventurar. Mas logo do ladinho, a 20km, no Parque Nacional da Serra Geral, encontra-se um outro cânion, digamos, mais selvagem. Fora alguns banheiros na entrada, o Fortaleza guarda trilhas bem menos sinalizadas, o que significa que um bom guia é recomendável (veja algumas opções aqui).

Aqui, a principal trilha é a do Mirante, que leva ao topo do Cânion Fortaleza, de onde é possível avistar a fenda de 2km de extensão que divide uma borda da outra. Além disso, nos dias mais abertos, a pintura natural ainda ganha traços do litoral gaúcho e da planície catarinense aos fundos.

Após quase 3,5km, o parque também abriga uma trilha extra de 2,4km que termina na Pedra do Segredo, uma imensa pedra de 5m e 30 toneladas apoiada apenas por uma pequena base de contato.

CÂNION MONTE NEGRO

Um terceiro cânion que acaba ficando esquecido frente a fama dos dois irmãos é o Monte Negro. Injustamente. E não só porque a região é famosa por ter sido palco para cenas da minissérie “A Casa das Sete Mulheres”, mas também porque fica aqui o ponto mais alto do Rio Grande do Sul, com 1.403m.

O cenário é predominantemente de campos de altitude, mas em alguns trechos passaremos até por uma floresta de musgos. E como no Fortaleza, em dias claros, será possível avistar o litoral ao longe.

Uma boa dica para quem vai para Monte Negro é seguir caminho até a Trilha do Cachoeirão, onde encontraremos ao final o Cachoeirão dos Rodrigues. Aqui, as quedas de mais de 35m de altura são ótimas para renovar as energias. Andando mais alguns quilômetros, ainda sobra tempo para contemplar o Desnível dos Rios, uma formação onde os rios Divisa e Silveira passam lado a lado, com 3m de distância, mas com um desnível de 20m de altura de um para o outro.

CIRCUITO DAS ÁGUAS

E falando em águas, vale dar uma pausa nos cânions e se deliciar na Cachoeira dos Venâncios, a 22km de Cambará do Sul, que adivinhe, fica mais uma vez numa divisa, agora com a cidade de Jaquirana. Na verdade, suas quatro quedas d’água são as mais famosas do Circuito das Águas da região. Nos Venâncios, a primeira queda escorre de um paredão de 100m de largura e entre cada uma delas, formam-se piscinas naturais perfeitas para o calor do verão.

Outros trechos essenciais do circuito são o Passo da Ilha e o Passo do “S”, pelo qual os tropeiros costumavam cruzar com seus rebanhos e agora carros também são permitidos. Serão 230m e 250m, respectivamente, por finos 10cm de profundidade média. E não pense que só porque você tem “a” picape que é possível cruzar a qualquer momento. A estrada não só é toda de terra, como vários trechos estão em péssimas condições, com muitas pedras e buracos. Procure um guia para uma viagem mais segura (conheça aqui alguns pacotes).

Por fim, apesar de não fazer parte do circuito oficial, um bom acréscimo é o Lajeado das Margaridas. Seja por um passeio a cavalo de três horas, revisitando o cenário de campos de altitude e matas de araucária por uma perspectiva, digamos, mais despreocupada – sem precisar se preocupar por onde pisar. Ou também pelo próprio rio, onde uma boa pedida é o passeio de bote, com paradas para banho e contemplação.

DUAS EXPERIÊNCIAS RADICAIS NOS APARADOS DA SERRA

Agora, se todas essas opções ainda não forem desafiadoras o suficiente, que tal gastar perna fazendo trilha e ainda acabar o dia acampando no meio da natureza mesmo? Ao longo de três dias e 30km, o percurso vai acompanhando a extensão do cânion Josafaz, ao sul e já fora da área do Parque Nacional dos Aparados da Serra. Confira aqui o roteiro desta expedição.

Uma outra opção para as almas indomáveis é conhecer os destinos clássicos, mas ir alternando os trechos de caminhada com outros de mountain bike. Veja como neste roteiro para os que não aguentam ficar longe da magrela.

HOTEL PARADOR CASA DA MONTANHA

Já para quem, procura luxo e conforto, mas sem deixar a natureza de lado, a melhor opção é se hospedar no Hotel Parador Casa da Montanha. A proposta é que, apesar de todas as comodidades, você se sinta praticamente acampando ao ar livre por conta da integração do hotel à natureza.

Por exemplo, além da fazenda se localizar a 9km do Parque Nacional, você poderá escolher uma das 12 barracas térmicas especialmente projetadas para o frio gaúcho e acordar todos os dias com cânions, florestas de araucárias e até um rio do lado de fora da janela.

Isso sem falar em spa, restaurante apenas com delícias da culinária local e uma variedade de atividades incluídas como passeio a cavalo, passeio de bicicleta e pesca esportiva. Confira aqui o pacote com direito a isso e muito mais.

Agora que você já sabe tudo que os Aparados da Serra podem oferecer, falta só marcar a viagem. E para te ajudar, a Pisa Trekking oferece diversos roteiros completamente diferentes para você se esbaldar pelos colossos do sul. Confira aqui nossos roteiros, tire suas dúvidas com nossos atendentes e boa aventura!

 

Leia mais textos sobre a região sul do Brasil:

Conheça nossos roteiros!

Assine nossa newsletter e receba nossos roteiros e novos textos do blog

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 284 outros assinantes

Deixe uma resposta