Dica de Viagem: Tudo sobre a Costa Rica

Com cerca de 25% do território protegido por áreas de conservação, a Costa Rica vai dos vulcões às praias, da floresta tropical a trekkings. Tudo isso em 51.100km² ou, em outras palavras, uma área menor que o estado do Rio Grande do Norte. Para conhecer as belezas da América Central, hoje, o Blog Vida ao Ar Livre te mostra tudo sobre a Costa Rica.

 

Onde fica a Costa Rica?

A Costa Rica fica na porção continental da América Central, sendo o segundo país ao norte depois da Colômbia. Fazendo fronteira com a Nicarágua ao norte, o Panamá ao sul, o Oceano Atlântico a leste e o Oceano Pacífico a oeste, o país é uma joia caribenha no meio dos caos nicaraguense e do paraíso fiscal panamense.

Isso pode ser visto na tabela do Happy Planet Index, um dos índices que mede bem-estar humano e pegada ecológica, que traz o país em primeiro lugar do mundo por três vezes consecutivas (2009, 2012 e 2016). Entre outras medidas, a Costa Rica é um dos países que aboliu o Exército desde 1949, deslocando os recursos para educação, saúde e aposentadoria. Em 2015, o país também produziu 99% de sua energia a partir de fontes renováveis e espera até 2021 chegar aos 100% e se tornar um Carbono Neutro.

Poderíamos citar inúmeros outros parâmetros, mas fora algumas atividades tecnológicas, grande parte da economia costa-ricense depende do turismo sustentável. Então pode aguardar uma recepção calorosa e ecologicamente consciente.

Como ir para a Costa Rica?

A porta de entrada é San José, capital da Costa Rica. Não existem voos diretos do Brasil, mas várias são as possibilidades de escala, seja por países sul-americanos, como Peru ou Colômbia, centro-americanos, como Panamá, ou mesmo norte-americanos, como México ou cidades ao sul dos EUA.

Uma vez em San José, bem no centro do país, os principais atrativos estarão entre 200km e 300km de rodovia. Mas gaste um tempinho na capital, explorando teatros, auditórios, museus, edifícios históricos, parques, centros comerciais e lojas de artesanato.

O que fazer na Costa Rica?
  • Praias da Costa Rica:

Antes mesmo de pousarmos na Costa Rica, do céu, já dá para enxergar o que nos espera: as águas do Caribe!

Mas antes daquele cenário clássico, vale a pena dar uma parada nas areias escuras de Tortuguero, um complexo de rios que abriga dezenas de espécies animais, entre elas, sete espécies de tartaruga. Aqui, não só os passeios são feitos de barco, como também a única forma de chegar aos lodges é cruzando os canais de água. E além de trilhas privadas e uma variedade de crustáceos e peixes de água doce, o melhor fica para a noite, quando as tartarugas guardam o espetáculo da desova na areia da praia.

São várias espécies, mas a que temos acesso são das tartarugas verdes que desovam de julho a outubro, sendo que a partir de setembro, os filhotes começam a sair dos ovos. Vale anotar para não ir na época errada e se frustrar.

Mas são duzentos quilômetros ao sul que a paisagem parece de fato com a imagem que temos do Caribe: águas cor turquesa, praias de areia branca, recife de corais e coqueiros para com uma sombrinha. Nas pequenas cidades de Cahuita e Puerto Viejo de Talamanca, você poderá explorar os corais fazendo snorkelling ou mergulho, avistar espécies de mamíferos em um trekking pelo Parque Nacional de Cahuita ou mesmo só relaxar estirado no sol. Aliás, não deixe de experimentar pratos típicos dos afro-caribenhos e se deixar levar pela energia tranquila do reggae e rastafári que povoa a região.

Mas não é só de Caribe que se faz a Costa Rica. Na costa oeste, um dos 12 Parques Nacionais mais belos do mundo segundo a revista Forbes em 2011 é Manuel Antonio. Não se sabe ao certo a origem do nome, mas o que sobra é tranquilidade esbanjada pelas três praias do parque; que oferecem até mirantes da região, como a Playa Puerto Escondido. Além disso, vale conferir as atividades, que vão de tirolesas, passeios a cavalo, rafting e navegação de catamarã até trilhas observativas pela floresta ou avistagem de golfinhos e baleias.

E já que o assunto é praia, uma boa dica é aproveitar a passagem para conhecer um pedaço do Panamá, especificamente o arquipélago de Bocas del Toro. Composto por nove ilhas e mais de 200 ilhotas, voltamos ao Caribe para um cenário de recifes de corais, manguezais, comunidades indígenas e muita, mas muita água transparente. Confira aqui o roteiro para conhecer o lado de lá da fronteira da Costa Rica e já aproveite para dar um pulinho na Cidade do Panamá.

Veja alguns roteiros para conhecer as praias da Costa Rica. Neste pacote você passa por todas as citadas menos Manuel Antonio. Já neste outro, ao invés de visitar todas da costa leste, você dá um pulo em Manuel Antonio.

 

  • Vulcões da Costa Rica:

Da água vamos agora para o fogo para conhecer outros gigantes cartões-postais da Costa Rica. Seguindo agora ao norte de San José, o mais famoso vulcão do país é o Arenal. Com 1.670m de altura e 140m de diâmetro, trata-se um vulcão ainda ativo e sempre cercado pelas nuvens de seus gases e vapores d’água. Mas fique calmo, desde sua última erupção em 2010, o colosso se acalmou. De qualquer forma, toda movimentação vulcânica é monitorada e qualquer evacuação avisada com bastante antecedência.

Conheça a cidade de La Fortuna (“a sortuda”) que ganhou esse nome por ter sido a única que saiu intacta de uma erupção em 1968. Ela será sua cidade-base para uma série de atividades, como a cavalgada até as Cataratas La Fortuna (60m de queda), o caiaque no Lago Arenal (o maior do país) ou a caminhada até as águas azul-turquesa do Rio Celeste (formado pelos compostos químicos liberados pelo vulcão Tenório).

Neste último, infelizmente, é proibido nadar. Mas para não ficar com a vontade de se esbaldar em águas sulfúricas, a Costa Rica tem uma série de termas, como as águas termais de Tabacon, em La Fortuna, que fluem naturalmente a uma temperatura de 50ºC.

Outros dois vulcões que valem a conferida são o Poás e o Irazu. Diferente do Arenal, onde ninguém pode chegar ao topo pela intensa emissão de gases, nestes dois vulcões você poderá avistar as crateras e a atividade de gases de enxofre. Do Irazu, inclusive, em dias ensolarados, é possível ver até o Oceano Pacífico e o Mar do Caribe ao fundo.

Conheça alguns roteiros para conhecer os vulcões da Costa Rica. Neste pacote você conjuga o passeio com as praias costa-riquenhas e neste com a floresta tropical.

 

  • Trekking na Costa Rica:

Dissemos que subir o Vulcão Arenal é proibido, o que não quer dizer que você não possa avistar as crateras de outro lugar. Para isso, você pode subir em dois Mirantes do Vulcão Arenal, o primeiro a 1.600m, onde é possível ver não só o vulcão como também os estragos que ele causou na vegetação.

Mas já que falamos de grandes alturas, que tal conquistar o ponto mais alto da Costa Rica, o Cerro Chirripó, a 3.820m de altura? E não pense que é brincadeira, porque o Pico das Neblinas, o ponto mais alto do Brasil, é 900m mais baixo que este cerro. Aliás, altitudes acima de 3.000m exigem um bom condicionamento físico para não se ter problemas com a aclimatação.

Para completar a aventura, serão dois dias e 28 km de ida e volta entre cenários de abundante flora e fauna que, pouco a pouco, dão cara a pequenos glaciares ou mesmo trechos de capim, lagos e rios congelados. Não é qualquer trekking que mistura toques brancos tão sutis a uma paisagem que poucos quilômetros atrás era tropical. E, é claro, se for seu dia de sorte, o Pacífico e o Mar do Caribe estarão te esperando no horizonte.

Se ainda não tiver matado a sede por grandes altitudes, no mesmo roteiro, você pode explorar o Cerro de Las Muertes, a 3.300m, também na Cordilheira de Talamanca, onde fica o Chirripó. O nome vem dos vários viajantes que morriam pelo frio e chuvas nos séculos passados. Mas todo desafio traz uma recompensa e, aqui, além das paisagens maravilhosas, apure o olhar e procure pelos quetzals, pássaros verdes com peito vermelho e cauda longa vistos pelos maias e astecas como entidades divinas.

 

  • Multiaventuras na Costa Rica:

Até aqui, você sabe que pode explorar a Costa Rica de cima a baixo, do tranquilo ao mais aventureiro e, em cada uma delas, com uma gama de atividade bastante variada. Além dos já citados caiaque, cavalgada, tirolesa, rafting e navegação em catamarã, vale destacar também o canyonismo. A partir dos cinco anos, você já está convidado a fazer rapel em três cachoeiras e depois em uma rocha. O trecho mais alto tem 55m, mas se a água não escorrer um pouco em você, o refresco está garantido no final com um belo poço para banho.

Veja aqui o roteiro da Costa Rica que vai de La Fortuna a Manuel Antonio só passando por diversas atividades de aventura, e experimente uma experiência radical na América Central.

Outra opção de multiaventuras é Monteverde onde, depois de uma caminhada por pontes pênseis que chegam a 60m do chão, você cruzará floresta tropical por um sistema de 15 cabos e 18 plataformas. Uma ótima imersão e refresco depois de alguns dias explorando os vulcões deste roteiro.

 

  • Self-drive na Costa Rica:

Uma última opção é para aqueles que gostam de dirigir e definir o tempo em cada atrativo, mas com os passeios já organizados e sem ter que se preocupar com a parte chata (perder tempo procurando o carro e hospedagem, por exemplo): o self-drive.

Deixamos reservados todos seus hotéis e te damos a chave do carro para explorar praias desertas e extensas planícies do noroeste e oeste costa-riquenho. Dentre elas, Guanacaste e Península de Nicoya. Em Guanacaste, além das maravilhosas praias (como as Flamingo, del Coco, Hermosa e Conchal), as duas principais atividades são a observação noturna da desova de tartarugas (Playa Grande) e as aulas de surfe (Playa Tamarindo).

Na Península de Nicoya, você pode tanto fazer uma parada na ponte do Rio Tárcoles para avistar alguns crocodilos que vivem na região, quanto visitar o Parque Nacional Barra Honda, para explorar um complexo de cavernas subterrâneas com formações espeleológicas que até se assemelham com uma forma humana.

No roteiro da Pisa Trekking, o passeio ainda passa por Manuel Antonio, onde você pode experimentar as diversas atividades já citadas. Confira aqui o pacote.

 

Quando ir para a Costa Rica?

Apesar das estações, a Costa Rica é um país quente o ano todo. É claro, das montanhas para a praia, o clima pode ser bem diferente, mas você pode viajar para lá o ano todo. A dica é que algumas épocas podem trazer melhores experiências.

Por exemplo, durante o verão, entre maio e novembro, você tem mais chances de pegar pancadas de chuva tropical, que podem inclusive atrapalhar um pouco os deslocamentos entre as cidades.

Dentre os meses mais secos (dezembro e abril), se tiver disponibilidade para viajar depois de fevereiro quando as férias locais terminam, você provavelmente pegará os atrativos menos cheios. Ou seja, com exceção do feriado de Páscoa, uma ótima época para viajar é entre os meses de março e abril.

 

Bom, agora que você já conhece as diversas possibilidades da Costa Rica, compre já suas passagens! Especialistas em ecoturismo no Brasil e no mundo, nós da Pisa Trekking garantimos toda a segurança e conforto para sua viagem. Confira aqui nossos pacotes para a Costa Rica e tire todas as suas dúvidas com nossos atendentes. Aliás, se você não quiser deixar passar um trechinho de Costa Rica, veja aqui o roteiro completo, que ainda passa pela região do Corcovado, onde fica um dos recifes de corais mais belos do país. Boa aventura!

 

Leia outros textos de destinos na América:

Conheça nossos roteiros!

Assine nossa newsletter e receba nossos roteiros e novos textos do blog

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 287 outros assinantes

Deixe uma resposta