Dica de Viagem: O que fazer no Parque Nacional do Itatiaia?

Na ponta leste da Serra da Mantiqueira, bem na divisa entre Minas Gerais e Rio de Janeiro, fica um dos Parques Nacionais com três das dez maiores montanhas brasileiras: o Itatiaia. Com cachoeiras, trilhas e picos bem característicos, o Parque é uma parada obrigatória para todos os amantes do ecoturismo. Por isso, hoje, o Blog Vida ao Ar Livre te mostra o que fazer no Parque Nacional do Itatiaia.

Três colossos do Parque Nacional do Itatiaia

O nome “Itatiaia” vem do tupi e significa “penhasco cheio de pontas”. Essa formação geológica única remonta a um passado de atividade vulcânica que expeliu seu material nessa configuração.

  • Agulhas Negras:

Dos picos de Itatiaia, talvez o que melhor sintetiza estas “pedras pontudas” sejam as canaletas e lajes em forma de agulha do Maciço Agulhas Negras. Do chão, sua formosura já encanta, principalmente quando seguimos o Circuito 5 Lagos (voltamos adiante) e ela surge grandiosa de uma virada para a outra.

Mas você também pode conquistar, em 11km de ida e volta, o quinto maior pico do Brasil e mais alto do Parque (2.791m) para ter uma vista de 360º das montanhas da região. Para chegar ao topo, além de trechos de escalaminhada, no qual se usa as mãos para facilitar uma subida mais inclinada, você precisará da ajuda de cordas – inclusive para alcançar o topo real detrás de um vão que o separa de outro “falso” e, portanto, menor.

  • Maciço das Prateleiras:

Se para subir as Agulhas Negras é preciso de força física, nas Prateleiras (2.515m) é necessário psicológico. Isso porque a via é mais exposta, ou seja, andamos na borda de precipícios onde precisamos fazer alguns dos principais movimentos. O caminho segue por estreitas passagens e imensas fendas, também com trechos na qual a corda é obrigatória. Um em específico nos obriga a pular um vão de 20m de profundidade para chegar ao fim da ascensão.

Nem é preciso dizer que estas subidas devem ser feitas por pessoas com bom condicionamento físico e acompanhadas de um guia capacitado. Ainda mais porque o clima em altas altitudes muda rapidamente, exigindo decisões ágeis e assertivas. Confira aqui uma expedição que vai ao cume destes dois picos com segurança.

Mas se você acha que esse nível de aventura ainda não é para sua alçada, fique tranquilo, porque é possível chegar até a Base dos Prateleiras somente a partir de trilhas com, no máximo, escalaminhadas tranquilas. Aqui, você já estará acima das nuvens, que quando derem trégua, abrem vista para uma série de montanhas.

Este é também um ótimo ponto para fotos, já que haverá pedras nos formatos e posições mais inusitados, como uma que simula um trono e outra que parece prestes a cair. Aliás, se você seguir até o fundo da base dá pra sentir um pouco da vertigem daqueles que se aventuram pedra acima, já que o precipício estará logo à frente. E se ainda olhar para cima, você pode tentar imaginar como os blocos de pedra conseguem se sustentar já que eles parecem estar apenas encostados uns nos outros.

  • Morro do Couto:

Mas com tantas alturas, você com certeza será picado pelo bichinho do cume. Por isso, se você já tem alguma experiência em trekking, está na hora de enfrentar a subida até o topo do Morro do Couto. O oitavo maior ponto do Brasil, com 2.680m, traz trechos mais íngremes, com mais pedras e de escalaminhada mais difíceis para você que só chegou até as bases das duas outras montanhas. No entanto, conquistar um cume vale todo o esforço e os ventos batendo na cara são só uma prova da altura desimpedida de quaisquer obstáculos.

Descanse, respire ar puro e recomponha as energias com um bom lanche de trilha que, na Pisa Trekking, é farto e preparado pelos guias para animar a volta pelo mesmo caminho. Aliás, na Pousada Bululu, onde ficamos hospedados, além de rio e piscina, uma boa pedida é jogar todas as dores fora na sauna a vapor. Veja aqui o roteiro que oferece tudo isto.

O Lado B do Parque Nacional do Itatiaia
  • Circuito 5 Lagos (adaptada):

Como dissemos acima, o Circuito 5 Lagos pode ser feito por aqueles que ainda não se sentem capazes de explorar o cume das Agulhas Negras, mas quer tirar uma casquinha da vista imponente dela. Mas este circuito de aclives e declives também passa outros atrativos, como a base da Pedra do Altar (2.665m), décimo primeiro ponto mais alto do Brasil.

O nome vem de cinco lagos que cruzamos no caminho; supostos, porque se contarmos de fato o número é maior. O circuito de cerca de 11km começa na entrada do Parque, vai até o Abrigo Rebouças, onde os viajantes costumam acampar, e volta até a entrada por uma estrada de terra. No entanto, antes da Pedra do Altar, existe um desvio que leva a atrativos mais distantes de Itatiaia.

  • Desvio para formações rochosas inusitadas:

O principal deles leva a Pedra do Sino, nono ponto mais alto do Brasil, com 2.670m, e que não deve ser confundida com outra de mesmo nome na Serra dos Órgãos. O nome se vale pelas formas arredondadas no topo que se assemelham a um sino de cima do platô. Uma vez no cume, é possível avistar as antigas conhecidas Agulhas Negras e Prateleiras, mas neste desvio poderemos conhecer também outras formações curiosas e menos acessadas.

Uma delas é o Ovos da Galinha, um conjunto de cinco rochas arredondadas que ficam apoiadas num pequeno monte uma do lado da outra. Outra que se apoia de um jeito quase milagroso é a Asa de Hermes

Vista já de longe, a pedra se destaca de sua montanha mais nivelada, e o pedaço que lembra uma asa tem ranhuras tais quais as penas de um pássaro. Por ser vista de vários cantos do Parque, o deus mensageiro, que deveria sempre ser o primeiro a se fazer presente, coube bem como nome. E corra, porque a sensação é de que a asa pode escorregar a qualquer momento, e temos certeza de que você não quer visitar o Parque depois disto.

  • Da água ao espaço:

No próprio desvio, é possível seguir por outros desvios que levam a pérolas ainda mais preservadas e pouco visitadas. A principal é mergulhar sob os 40m da Cachoeira do Aiuruoca, considerada a cachoeira mais alta, em altitude, do país (2.380m). Por isso, espere também uma queda gelada, já que a água há pouco nasceu e deixou as montanhas.

Com tantos desvios da rota, nem é preciso dizer que é fácil se confundir com as bifurcações. Por isso, vale sempre frisar que um guia é essencial para uma viagem mais segura e cômoda. Aliás, para cumprir o Circuito com todos estes desvios, você pode adicionar 9km de caminhada.

Agora, com algumas das maiores alturas e mais desobstruídas vistas do Brasil, basta fechar os olhos para nos sentirmos no espaço. E para isso, longe do Circuito 5 Lagos, uma outra trilha de 13km pode contribuir, afinal, não é qualquer lugar que tem uma Chapada da Lua. É exatamente isso que você está pensando: depois de superar trepa-pedras e fendas, o topo de um monte guarda um solo esburacado que lembra em muito a superfície do satélite natural. Aqui é até perigoso pular para não acabar voando.

Confira aqui o roteiro que desbrava todo o Lado B de Itatiaia.

Travessias do Parque Nacional do Itatiaia

Àqueles já mais experientes em Itatiaia podem enfrentar desafios maiores: as travessias. E uma das principais rotas é partir de Itatiaia e terminar em Maromba. É claro que no caminho passando por vários dos atrativos já citados acima. No caso, há duas formas de completar a travessia. 

A primeira, via Serra Negra, cruza a Cachoeira do Aiuruoca e as Agulhas Negras e tem seus 29km divididos em dois dias. A segunda, via Rancho Caído, tem a Pedra do Altar, a Asa de Hermes, os Ovos da Galinha e tem os 27km feitos em um único dia. O esforço aqui é maior, mas uma vez na Vila de Maromba, você terá o segundo dia para explorar trilhas curtas, como a que leva até a Cachoeira do Escorrega que, como o nome diz, traz um escorregador natural em pedra. Ou se não, aproveitar para descansar nas vielas cheias de artesanato e culinária local. Veja aqui o roteiro via Serra Negra e aqui via Rancho Caído.

Se isso ainda é pouco para o quanto deseja se desafiar, a Pisa Trekking oferece um roteiro que une as travessias mais difíceis do país (Serra Fina, Marins X Itaguaré e Itatiaia X Maromba) em uma única viagem: os Altos da Mantiqueira. Serão quatro dias andando até 12h em um dia ao longo de 64km. Uma aventura recomendada àqueles com ótimo condicionamento físico e também com cada uma das travessias já exploradas separadamente. Confira o roteiro aqui.

 

Mas não se preocupe, o Parque Nacional do Itatiaia abraça a todos, dos mais experientes aos trekkers que estão iniciando nas grandes alturas. Aliás, se este último for o seu caso, vale conferir o roteiro Itatiaia Light para dar os primeiros passos nestes colossos. Calce as botas, afixe as mochilas e não esqueça os casacos (ou como chamamos, fleeces e anoraks), e as montanhas serão suas! 

Confira aqui os pacotes no Itatiaia que a Pisa Trekking, agência especializada em ecoturismo no Brasil e no mundo, tire todas as suas dúvidas com nossos atendentes e boa viagem!

 

Leia outros textos de altas montanhas do Brasil:

Conheça nossos roteiros!

Assine nossa newsletter e receba nossos roteiros e novos textos do blog

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 284 outros assinantes

Deixe uma resposta