Diário de Viagem: Chapada das Mesas

Quem imagina que já viu tudo vai se surpreender quando visitar a Chapada das Mesas, quase desconhecida e com um enorme potencial turístico. O que tem de diferente? Tudo!

Chapada das Mesas

Você irá encontrar arcos de pedra, que são chamados na região de portais, poços azuis com águas cristalinas, trilhas por grutas e grotões, nascentes de água pura, cachoeiras que parecem ter saído de filmes de aventura com águas mornas e com arco-íris. Tudo isso ao seu alcance sem longas ou difíceis trilhas, em um clima ameno onde mesmo quando as temperaturas atingem 40ºC você não sofre com o calor.

Junte tudo isso com hospitalidade, infraestrutura, rios caudalosos e muita beleza natural, e aí você vai começar a entender.

Hoje, a Chapada das Mesas é desconhecida e ainda possui um imenso potencial a ser explorado, e acredito que será um dos destinos que em breve se destacará como seu vizinho Jalapão.

Visitei a Chapada em agosto e, apesar de ter estado em uma semana onde os termômetros atingiram 42ºC, essa temperatura não foi sentida, pois a logística dos passeios foi cuidadosamente programada prevendo isso. Assim, nos horários mais quentes, estávamos nos restaurantes ou em uma deliciosa cachoeira. Além disso, as noites são mais frias, equilibrando a temperatura.

O clima do município de Carolina, cidade-base para as atividades, é tropical, com duas estações bem distintas: uma seca (de maio a setembro) e outra chuvosa (de outubro a abril).

Nessa época, fomos agraciados com uma paisagem repleta de ipês floridos e conferindo à paisagem cores de primavera com pequenas explosões de amarelo muito intenso, roxo e branco, no meio da mata. Os cajueiros e cajuís (tipo de caju pequeno) estão em plena produção e podemos prová-los diretamente dos pés. Resultado de uma rica diversidade e de ecossistemas que se juntam formando um mosaico ecológico composto de Cerrado, Caatinga, Floresta Amazônica e Mata Atlântica.

Uma das chapadas mais impressionantes que eu já vi. Superou as minhas expectativas. Um lugar onde a natureza é acolhedora, as cachoeiras divertidas, população amável, e que irá emocionar e deixar saudades.

Porque o nome Chapada das Mesas?

Ela recebeu o nome de Chapada das Mesas por causa dos seus platôs, que lembram o formato de mesas de pedra. Platôs com paredões de rocha de arenito formados há milhões de anos, tanto que o solo em alguns lugares é praticamente uma areia bem fininha, que entra em nossos calçados.

O parque abriga um santuário ecológico de 160 mil hectares com incontáveis espetáculos naturais e únicos do Cerrado brasileiro. A paisagem, as cachoeiras e suas piscinas naturais de águas cristalinas com temperaturas amenas, em meio aos imensos paredões rochosos, são os grandes responsáveis pelos encantos que envolvem o parque. 

As cachoeiras são os frutos de duas redes hidrográficas dos rios Tocantins e do Parnaíba, e por isso possuem volumes de água espantosos.

Principais Atrações e obrigatórias, na minha opinião:
  • Portal da Chapada das Mesas

Formação que lembra uma “gota” bem no alto da montanha, um arco de pedra que parece mesmo um portal. É um dos cartões-postais da chapada. A trilha até ele é leve com 2 km (ida e volta). Vá com tempo para poder tirar uma bela foto, avistar a paisagem e admirar as mesas com a mesma perspectiva de um pássaro.

A trilha terá diversos trechos de areia e algumas passarelas de madeira. Vá com um tênis de caminhada, pois sapatos abertos poderão escorregar.

  • Complexo da Pedra Caída

Um complexo turístico que possui atrações naturais e outras projetadas, como teleférico, tirolesa e um local no alto da montanha em forma piramidal para prática de meditação, além de possuir uma grande estrutura com restaurante, sanitários, vestiários e até piscinas. É a base para todos os visitantes do complexo. Um local que agrada a todos.

Uma linda caminhada de pura imersão na natureza, por trilhas e rampas de madeiras que descem pelas encostas das montanhas até o fundo do grotão, passando por pequenas cachoeiras e nascentes. 

Para todos esses passeios nas cachoeiras, você apenas irá precisar: usar roupa de banho, sapatilha anfíbia (que pode usar na água) ou papete (tipo de sandália de caminhada), capa à prova d’água para proteger a sua câmera ou celular, saco estanque (opcional) à prova d'água para colocar seus pertences como dinheiro, uma troca de roupa seca e uma toalha.

Filtro solar e repelentes devem ser aplicados quando você sair da água para proteção dos mananciais. Leve também pomada pós-picada de insetos. Não há muitos insetos, mas sempre haverá um espertinho esperando para dar uma provadinha em um turista.

  • Complexo da Pedra Caída - Cacheira do Santuário

É a maior atração do complexo e uma das cachoeiras mais lindas que eu já vi. Após caminharmos por passarelas de madeira, trilhas no meio das nascentes, nos deparamos com uma maravilha da natureza.

A cachoeira despenca de mais de 50m dentro de um cânion fechado. É um misto de gruta, cânion e catedral. O volume da água e o barulho impressionam e são hipnóticos. Não dá vontade de sair daquele lugar. 

O lugar recebeu esse nome por causa dos antigos moradores locais que a consideravam um santuário. E ainda hoje ao entrarmos podemos sentir a mesma sensação. Impossível visitá-la sem se molhar e se emocionar.

  • Complexo da Pedra Caída - Cachoeira da Caverna

Essa cachoeira está escondida do outro lado do complexo, onde após uma caminhada por passarelas de madeira e mais uma pequena trilha dentro da água e dentro de uma aparente caverna, se alcança uma gruta com uma linda cachoeira.

As águas são mornas e muito agradáveis. Se tiver tempo, não deixe de observar as aves, principalmente os “beija-flor tesoura” que adoram brincar em suas águas.

  • Cachoeiras São Romão e da Prata

Já em direção ao município de Estreito, o caminho é parte em asfalto (30 km) e parte em um veículo 4x4 (31 km), atravessando trilhas de areia off-road.

Após essa aventura, chegamos a uma das cachoeiras do Rio Farinha com o maior volume de água da região: São Romão. Ela possui até opção para alugar caiaques e se aventurar para chegar mais perto.

Em seguida, a cachoeira da Prata também impressiona com o volume de água e sua formação. Todas permitem banho e possuem águas mornas e agradáveis.

  • Encanto Azul , Complexo Poço Azul e Santa Bárbara

Na região de Riachão, os poços são uma surpresa com águas azuladas que variam de azul turquesa intenso a verde, dependendo da época do ano.

O Encanto Azul é maior, mais selvagem e sempre azul. Apesar de possuir cerca de 7 metros de profundidade, é uma piscina natural aconchegante que não dá medo mesmo para quem não sabe nadar, podendo ficar na sua borda, ou ainda, pedir no hotel um colete salva-vidas ou um flutuador de isopor e se divertir. Vale cada segundo. 

Já o Poço Azul fica dentro de um complexo turístico que tem o mesmo nome, com uma estrutura bem charmosa e refinada com banheiros, restaurante, lojinha e até redário para tirar um cochilo após o almoço. O Poço Azul é menor, mas tão atraente quanto o Encanto e ao seu redor há diversas outras cachoeiras.

A cachoeira mais impressionante do complexo é a Santa Bárbara, que só permite o acesso por uma ponte pênsil. Suas águas são mais frias, mas a adrenalina de caminhar pelas intrincadas pontes suspensas e a bela cachoeira fazem você esquecer qualquer choque térmico. Vale a pena tirar uma foto na ponte para ter uma noção da grandeza e beleza do lugar.

Como chegar na Chapada das Mesas?

A Chapada das Mesas está localizada no sul do Maranhão, e faz divisa com o Tocantins. Nosso voo chega na cidade de Imperatriz, segunda maior cidade do Maranhão e bem distante de São Luiz.

Em seguida embarcamos em um transfer que nos levará até a pequena cidade-base de Carolina, com cerca de 22 mil habitantes. Serão 223 km que percorremos em cerca de 3h30, através de parte da estrada Belém-Brasília e um trecho da rodovia Transamazônica.

Estrutura do Parque Nacional

A Chapada da Mesas possui uma excelente estrutura turística com restaurantes com comida caseira, passarelas para acesso às atrações naturais, acesso de veículos, guias experientes e pousadas e hotéis confortáveis e bem localizados. Indicado para pessoas com espírito esportivo e famílias que buscam diversão.

Nos passeios, todas as trilhas até as cachoeiras possuem uma média de 2 km (ida de volta) de caminhada, e a maioria delas se localizam dentro das montanhas em grotões formados pela chuva e inúmeras nascentes. Tudo isso cercado por florestas buritizais e relevo de chapadas vermelhas, compondo um estonteante conjunto de formações rochosas. 

A cidade de Carolina possui um pequeno comércio com produtos locais, como doce de buriti, rapadura, mel, entre outros, além de diversos restaurantes com comida caseira, crepes, pizzas e sanduíches.

Agora que você já sabe mais sobre a Chapada das Mesas, que tal começar a pensar em uma viagem? Para tanto, conte com os serviços da Pisa Trekking. Especialistas em ecoturismo, oferecemos várias opções de pacotes para a Chapada das Mesas. Confira todos aqui e tire todas as suas dúvidas com nossos atendentes!

Leia mais textos sobre esse destino:

Conheça os nossos roteiros!

Assine nossa newsletter e receba nossos roteiros e novos textos do blog

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 372 outros assinantes

Deixe uma resposta