As Cavernas do Petar, para sempre na memória

O  P.E.T.A.R – Parque Estadual Turístico do Alto Ribeiro –  encontra-se na região do vale do rio Ribeira do Iguape, próximo às cidades de Iporanga e Apiaí, e é um dos mais antigos parques do estado de São Paulo.

Eu conheci as cavernas do P.E.T.A.R. quando tinha uns 14 anos. Meus pais me levaram várias vezes e a cada vez que íamos era uma aventura nova, explorações para nós inéditas e cada uma com uma grau de aventura maior. Era realmente muito emocionante para todos nós.

 

Eu, com 16 anos, dando uma de espeleóloga

Eu, com 16 anos, dando uma de espeleóloga

O Vale do Ribeira e suas cavernas

O Petar está no sul do Estado de São Paulo, em uma região de extrema beleza!  Um vasto território de Mata Atlântica preservada,  rica em fauna e flora exuberantes. Ali pertinho passa o rio Ribeira de Iguape, outra atração a parte. Aquele tipo de rio que dá gosto e orgulho de se ver!

Já bastaria isso para encantar os visitantes.  Só que o encanto maior está bem escondido…

Boca da caverna Temimina, no núcleo Caboclos, com a exuberante Mata Atlântica do lado de fora

Boca da caverna Temimina, no núcleo Caboclos, com a exuberante Mata Atlântica do lado de fora

A natureza foi bondosa, e devido a fatores como tipo de solo e de água, proporcionou  a formação de um dos mais belos cenários subterrâneos que pode existir na Terra: cavernas, galerias, dutos e rios tudo embaixo da terra!

Foi literalmente embaixo da terra que descobri o que é natureza, ecoturismo e aventura de verdade.

Naquela época, quanto pior cada passagem, menor cada buraco e mais radical o trecho,  melhor era.  Se sujar de terra, lama, percorrer trechos dentro da água, tomar banho de cachoeira dentro da caverna. Ou ainda fazer um apagão total das luzes e perceber com todos os sentidos o verdadeiro significado da escuridão e do silêncio.

Mais uma das fotos resgatadas de antigamente, com pais e amigos

Mais uma das fotos resgatadas de antigamente, com pais e amigos

De volta 20 anos depois

Tudo isso já tem quase 20 anos. Naquela época me preocupava mais com a adrenalina e aventura de cada exploração. O tempo passou e acabei indo conhecer outros lugares pelo mundo e nunca mais voltei lá.

Foi quando no Reveillon de 2016 resolvemos levar toda a família! Imagine 4 gerações juntas: eu, meus pais, meus avós e meus  filhos.  Quatro gerações naquele mesmo lugar onde pra mim tudo começou.  Foi muito emocionante para todos!

Lucas, nosso super guia de 11 anos, com os bisavos

Lucas, nosso super guia de 11 anos, com os bisavos

Agora a emoção está em acompanhar os pequenos, levá-los para tomar banho de rio, mostrar cada detalhe nas formações da caverna (espeleotemas), cada inseto e planta diferente que encontramos pela frente, o som do rio dentro da caverna escura procurando seu caminho ou o som de cada gota que cai no mesmo lugar há milhares de anos.

Luiza, a pequena princesa descobrindo o mundo subterrâneo

Luiza, a pequena princesa descobrindo o mundo subterrâneo

Não éramos uma família de aventureiros, nada disso.  Felizmente eles valorizavam e continuam valorizando até hoje as coisas simples e da natureza. Acho que eles não faziam ideia de como aquelas experiências mudariam minha vida.

Estar alí de volta foi muita adrenalina e muita emoção!

Ver os pequenos com seus pais, avós e bisavós, observando eles descobrirem como nosso planeta é grandioso!

Posso dizer que foi uma das maiores aventuras da minha vida

E também que não posso mais passar 1 ano sem voltar ao Petar!

A família reunida, dos 2 aos 86 anos de idade

A família reunida, dos 2 aos 86 anos de idade

 

 

Deixe uma resposta