10 parques nacionais do Brasil para você visitar depois da quarentena

É fácil se esquecer de toda a beleza que existe no mundo. Mas quando algo nos impede de levar a vida da maneira usual, paramos para prestar atenção e valorizar o que existe ao nosso redor. Depois da quarentena, que tal apreciar as vistas mais bonitas que o Brasil tem para oferecer? Hoje, o Blog Vida ao Ar Livre te mostra dez parques nacionais para você visitar.

Chapada Diamantina

Dificilmente você irá encontrar um destino mais completo do que o Parque Nacional da Chapada da Diamantina, na Bahia. Contando com cânions, cavernas, grutas, morros, cachoeiras e rios de águas cristalinas, os cenários são únicos e grandiosos. De fato, é lá que está presente o trekking considerado o “mais bonito do Brasil”: a Travessia do Vale do Pati, que além de te mostrar a natureza baiana, também te apresenta aos moradores locais. 

Em geral, Lençóis é a cidade-base para a maioria das atividades. De lá, é possível seguir para o Morro do Pai Inácio, o principal cartão-postal do parque, e para as cachoeiras do Buracão e da Fumaça - essa última, com impressionantes 380m de queda livre. E nas suas profundidades, a Chapada também é linda: o Poço Azul e o Poço Encantado estão escondidos dentro de grutas, por onde apenas um feixe de luz consegue passar para iluminar as suas águas.

Confira aqui os roteiros para a Chapada Diamantina.

Chapada dos Veadeiros

A Chapada dos Veadeiros é um importante berço hidrográfico do país, com nascentes que são protegidas por lei, e rios e cachoeiras que enchem os olhos dos turistas. Esse aspecto é evidenciado através dos cartões-postais do local, que destacam a imensidão dos Saltos do Rio Preto e da Catarata dos Couros. Veadeiros, inclusive, também tem o seu próprio Poço Azul: mas esse, ao ar livre, é iluminado a todo momento pelo sol. 

Outro atrativo importante da Chapada é o Vale da Lua, com formações rochosas que se assemelham a crateras, moldadas pelas águas do Rio São Miguel. Na época da seca, é possível mergulhar nas pequenas piscinas que se formam pela água acumulada. Embora Veadeiros seja um bom lugar para relaxar e praticar yoga, com centros especializados em Alto Paraíso, ela também é lugar para atividades de aventura, como cicloturismo e tirolesa.

Confira aqui os roteiros para a Chapada dos Veadeiros.

Anavilhanas

O Parque Nacional de Anavilhanas é um paraíso em meio à Amazônia. Criado para proteger o arquipélago de mesmo nome, contendo cerca de 400 ilhas banhadas pelo Rio Negro, esse é um destino que encanta biólogos, ecologistas e turistas igualmente. As atividades aqui envolvem canoagem pelos igapós, visita às comunidades caboclas, trilha em mata de terra firme, focagem noturna e contemplação do pôr do sol. 

A hospedagem no parque ocorre no Anavilhanas Jungle Lodge, um pequeno hotel de charme cujos funcionários são, prioritariamente, pessoas da região. Por estar localizado no meio da floresta, o hotel proporciona uma chance única de ter um contato direto com a fauna e flora locais. Mas fique atento: o Anavilhanas é um dos hotéis mais procurados da Amazônia, então é preciso reservar com antecedência. 

Confira aqui o roteiro para Anavilhanas.

Aparados da Serra

Quem acha que no Sul do Brasil só existem as planícies dos pampas gaúchos vai se surpreender ao conhecer os Aparados da Serra. Esse é o maior conjunto de cânions da América Latina, que recebeu seu nome por parecer que seu relevo foi “aparado” a fio de faca. A paisagem une floresta de araucárias, mata atlântica, pampas, cachoeiras, e claro: muitos cânions.

O Cânion Itaimbezinho, com 5,7km de extensão, e o Cânion Fortaleza, com 7km, são os mais conhecidos na região, apesar de existirem outros tantos que também valem a visita. O Cânion Monte Negro, por exemplo, é o pico mais alto e mais frio do Rio Grande do Sul, e de lá sai uma trilha que dá vista para o litoral. Em geral, as trilhas nos Aparados podem ser feitas à pé, de bike ou até à cavalo, dando acesso a rios, cachoeiras e mirantes.  

Confira aqui os roteiros para os Aparados da Serra.

Serra da Capivara

A Serra da Capivara é um destino diferente de todos os outros. Apesar de possuir uma paisagem geológica que merece destaque, com formações areníticas, boqueirões e cânions, são os seus mais de mil sítios arqueológicos cadastrados que fazem a fama do local. Essa é a maior concentração de arte pré-histórica ao ar livre do mundo.

Com 173 desses sítios abertos à visitação, você tem a oportunidade de se deparar com vestígios de humanos que viveram mais de 50.000 anos atrás. É na Toca do Boqueirão da Pedra Furada que se encontra a pintura que virou símbolo do parque, de um veado fêmea com seu filhote, e onde foram encontrados os vestígios mais antigos do homem da América. A região também conta com museus que buscam contar a história da região e os avanços nas pesquisas arqueológicas.

Confira aqui os roteiros para a Serra da Capivara.

Monte Roraima

E falando em pré-histórico, o Monte Roraima, erguido há mais de 2 bilhões de anos, ainda guarda, em seu planalto, jardins pré-históricos com animais e plantas endêmicas que levaram milhares de anos para se adaptarem ao clima hostil e à falta de nutrientes da região. Localizado na fronteira entre Brasil, Venezuela e Guiana, o cume do Monte Roraima parece te levar a outra dimensão, da onde se tem a impressão de estar no topo do mundo. 

As formações rochosas do Vale dos Cristais, a cachoeira do El Fosso e o marco do Ponto Triplo são os principais atrativos do local. Porém, para chegar até eles, é preciso percorrer um longo caminho de terrenos escorregadios, subidas íngremes e travessias de rios, que fazem da trilha ao topo ser tão desafiadora quanto recompensadora. Aqui, você tem um contato genuíno com uma das regiões mais intocadas do planeta.

Confira aqui os roteiros para o Monte Roraima.

Lençóis Maranhenses

Já muito retratados em filmes, livros e novelas, os Lençóis Maranhenses são um dos principais chamarizes do turismo no Nordeste brasileiro. Com suas dunas entrecortadas por lagoas, que ficam com o nível ideal de água após a época de chuvas, o parque parece mais um grande oásis do que um deserto.

A região engloba os municípios de Humberto de Campos, Primeira Cruz, Santo Amaro e Barreirinhas. Essa última é a principal porta de entrada para o parque, da onde saem passeios para o Circuito Lagoa Azul e o Circuito Lagoa Bonita, os mais visitados da região. Apesar de existirem roteiros mais “convencionais”, é possível optar por fazer uma travessia à pé que te leva para vilarejos pouco habitados e localidades pelas quais quase ninguém passou. 

Confira aqui os roteiros para os Lençóis Maranhenses.

Chapada das Mesas

Ainda no Maranhão, porém mais ao sul, a Chapada das Mesas é uma região que mistura sertão, cerrado, cânions e bosques, e que leva o nome por conta de suas formações rochosas que se assemelham a mesas. Apesar de ser uma região ainda pouco explorada, com extensas estradas de terra que podem te confundir, o que ela esconde são deliciosos poços e cachoeiras de águas azuis.

A Cachoeira Santuário da Pedra Caída é uma delas. Abrigada dentro de uma falha geológica com paredes de mais de 50m de altura, onde é preciso percorrer 600m em uma trilha ecológica, o salão principal tem uma beleza ímpar que o faz ser digno do título de “santuário”. A Chapada também é casa para a tirolesa mais alta da América do Sul, que chega a 392m de altura e te permite ter uma visão geral da região.

Confira aqui os roteiros para a Chapada das Mesas.

Serra do Cipó

Os campos floridos e as formações de rochas sedimentares são a marca registrada da Serra do Cipó, localizada em Minas Gerais. Os relevos acidentados, com picos que chegam aos 1600m, se contrastam com os vales e campos que abrigam córregos e cachoeiras. Uma delas é a Cachoeira do Tabuleiro, que com seus 273m de queda garante o título de terceira maior do Brasil. 

A Serra costuma se destacar pelas suas trilhas e travessias, que oferecem trajetos contemplativos e, por vezes, de cunho histórico, como é o caso da Trilha dos Escravos. E essa história também vai longe. A partir do vilarejo de Lapinha da Serra, às margens de uma lagoa azul, é possível partir em um passeio de canoa que te levará a um sítio arqueológico com mais de 200 pinturas rupestres.

Confira aqui os roteiros para a Serra do Cipó.

Serra da Bocaina

Por fim, entre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro, está a Serra da Bocaina. De seu topo, seguindo a Trilha do Penhasco, é possível enxergar toda a extensão da Serra da Mantiqueira, Vale do Paraíba e Baía de Paraty. Já ao nível do mar, ela abrange praias arenosas, enseadas e uma ilha oceânica na região de Trindade. Essa combinação visual de mar e montanha é o que adiciona um tempero ao parque.

A Cachoeira de Santo Izidro é o cartão-postal da região, contando com uma grande piscina natural de fundo arenoso e uma queda de 50m. A Trilha do Ouro também é um dos seus principais atrativos, sendo o trajeto alternativo utilizado para o contrabando de ouro no século XVIII, por onde passaram bandeirantes, piratas, tropeiros e escravos. Recentemente, a Serra da Bocaina foi reconhecida como Patrimônio Mundial da UNESCO. 

Confira aqui os roteiros para a Serra da Bocaina.

Agora que você já conhece os 10 parques nacionais do Brasil para visitar depois da quarentena, que tal começar a pensar em uma viagem? Para tanto, conte com os serviços da Pisa Trekking. Especialistas em ecoturismo, oferecemos várias opções de pacotes para parques nacionais. Confira todos aqui e tire todas as suas dúvidas com nossos atendentes!

Leia mais textos sobre parques nacionais:

Conheça os nossos roteiros!

Assine nossa newsletter e receba nossos roteiros e novos textos do blog

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 313 outros assinantes

Deixe uma resposta